Floripa - Malvinas / Falklands - Is de los Estados - Cabo Horn - P. Williams

TRAVESSIA SUPER EXTREMA

Um breve adendo:

Essa travessia aconselhamos única e exclusivamente para aqueles que já tenham velejado bastante com o nosso comandante Felipe A. Caire e tenham um ótimo relacionamento com ele. Por isso, se você for mesmo embarcar nessa travessia, saiba que estará isolado do mundo e que irá realizar uma experiência espiritual muito profunda na sua vida.

Os benefícios e o amadurecimento interno serão inimagináveis, mas os momentos de sofrimento para que esse engrandecimento aconteça se farão necessários. Como diria Nietzsche: "é somente da dor que vem o verdadeiro aprendizado". Mas nesse caso, teremos o benefício de estarmos cercados de maravilhas naturais e estarmos enfrentando desafios e nos superando a cada dia.

Realmente é uma experiência única que todos os seres humanos deveriam um dia experienciar e para que possam entender os verdadeiros significados da importância da nossa passagem nesse pequeno planeta que residimos.

 malvinas

A TRAVESSIA:

Saindo de Floripa, seguiremos costeando e enfrentando nosso primeiro desafio. Aclimatizarmos com os balanços da chata saída Sul de Florianópolis.

Costearemos até o Farol de Santa Marta e de lá diremos nosso adeus ao querido Brasil.

floripa

Só voltaremos a rever o Brasil muitos meses depois, e depois de termos realizados muitos sonhos, muitos desafios e percorridas muitas milhas!

Do Cabo de Santa Marta até as Malvinas teremos muitos dias de navegação e um jogo de incertezas com a Natureza

Por já estar próximos ao verão as chances de pegarmos uma frente fria é pequena. Mas no mar tudo pode acontecer!


Caso sejamos surpreendidos por uma frente fria de cara e estivermos muito afastados da costa (o que será mais do que provável), abaixaremos as velas e escolheremos um bom livro, faremos uma bela faxina e nos recomporemos dos dias de navegação.

Pois somente os tolos e os novatos tem a sanidade maculada para tentarem vencer as forças da Natureza. Dessa forma estaremos em árvore seca, com todas velas abaixadas e esperando o tempo mudar.

arvore-seca


 A chegada nas Malvinas requer muito cuidado, pois as tide rips (correntes de maré) podem causar ondas abruptas e com cristas severas. Mas nada que um bom estudo na navegação e na hora certa de investir não minimize esses riscos.

new-island

Nas Malvinas, desejamos permanecer no mínimo 10 dias e conhecermos bem a região que merece nosso respeito e admiração.

malvinas001

Mistralis em New Island


 malvinas003

Nosso comandante, Felipe Caire, "conversando" com os pinguins.


 De lá seguiremos para outra ilha maravilhosa e onde começa a ficar cada vez mais perigosa nossa navegação: Isla de Los Estados. Que mais parece um cenário de Jurassic Park!

isla002

Chegando na Isla de Los Estados


 

isla001Uma ilha com seus altos picos nevados, com lagos semicongelados, baías profundas e uma vegetação de um verde maravilhoso.

Impossível descrever a beleza desse paraíso.

Depois seguiremos para nosso querido e amado porto seguro em Puerto Williams, no Micalvi.


 Detalhes específicos da navegação, da tripulação e do desafio em si:

A saída de Florianópolis é fundamental que aconteça em perfeita sintonia com as condições climáticas e com a saúde física e mental da tripulação. Todos precisam estar tranquilos e cientes de que pela frente teremos 1516 milhas náuticas e nenhuma possibilidade de parada em terra firme. Nenhuma ajuda de terra. A cama irá balançar 24 horas por dia. Alguns dias será impossível cozinhar. Outros dias a calmaria será de matar. E todos os mais de 10 dias que iremos viver confinados a bordo teremos que nos aturar. Teremos que saber lidar com nossas limitações. Saber respeitar os limites dos outros. Saber respeitar o silêncio. O espaço interior e exterior necessário para a sobrevivência nesse universo tão particular.

Sempre digo que não é necessário saber velejar para embarcar em nossas travessias extremas, mas sim saber se comportar como um ser humano de verdade. Um ser humano voltado as coisas primárias de nossa existência e não dependente dos artifícios da tecnologia moderna. Uma pessoa simples que saiba respeitar os limites, que queira realmente aprender, que queira de corpo, espírito, alma e coração estar ali. Saber velejar?! Não se preocupe, certamente você saira sabendo ao decorrer da viagem. Mas isso não é mesmo o mais importante. Basta querer estar ali!

Depois de decidida a data de saída teremos 3 complicados dias de navegação pela frente até nos afastarmos da costa do Rio Grande do Sul, onde ainda estaremos relativamente próximos à costa.

Nossa rota será sempre nos afastarmos cada vez mais e com isso ficarmos seguros dos barcos de pesca. Teremos mais tempo para dormir com calma e mais tranquilidade em nossas vigilias.

A medida que os dias forem se passando, que as os graus forem aumentando...consequentemente o frio também irá aumentando e teremos que ir nos encapotando. Nossas roupas irão engrossando. Iremos nos adaptar aos poucos a um clima cada vez mais frio, a um mar cada vez mais grosso, a ondas mais soturnas e a solidão surgindo aos poucos.

Mas em breve as Falklands / Malvinas estará em nosso GPS e já poderemos comemorar os inesquecíveis dias que iremos viver por lá. Lá pretendemos curtir realmente a ilha. Pedalar. Caminhar. Mergulhar. Deixar o tempo passar e realmente curtir o sacrifício da viagem.

Aproveitar a vida em contato direto com a Natureza e vivermos. Fundearmos em vários lugares diferentes e nos sentirmos como descobridores de um lugar inóspito e maravilhoso.

Depois de uns 10 ou mais dias teremos pela frente 250 duras milhas de navegação até alcançarmos a Isla de Los Estados e fudearmos em Puerto Hoppner. Onde amarraremos o barco nas árvores e nas pedras, logo em seguida cataremos os deliciosos mexilhões, iremos nos empanturar de tanto comer e celebrarmos com belas garrafas de vinho e depois um merecido e tranquilo descanso. Para então curtirmos com tranquilidade e calma uma ilha perdida nos confins do Fim do Mundo. Um local onde pretendemos acampar, nadar no lago, escalar e desbravar a ilha. Mais uma vez com muita calma e nos despedindo de nosso último pedacinho de terra firme que teremos nessa viagem.

Depois de Hoppner iremos apenas fundear na Bahia Crossley para conhercermos um refugio e uma praia bem perigosa em dias de tempestades no Cabo Horn. O mito já nos espreita e nos olha bem de pertinho. Após um breve fundeio e nosso último pernoite com a âncora no fundo, analisaremos a melhor hora para ultrapassarmos Le Maire e entraremos no Beagle para percorrermos saudasamente as últimas milhas até o rebocador Micalvi. Que agora acolhe um aconchegando clube de veleiros para os destemidos e corajosos velejadores do Fim do Mundo.


 

Data:

12.out a 05.dez

Valor:

R$ 9.500,00 (e uma sensação única de felicidade, realização e conquista que nada nessa vida irá tirar de você!)


Loading...
Loading...